Escola de autores é um site da Comunicar,  Revista Científica de Educação e Comunicação, indexada nas principais bases de dados internacionais, que complementa seus blogues ativos em espanhol, português e inglês. Desenhado e escrito principalmente pelo Conselho de Editores da Comunicar, esta Escola de Autores pretende oferecer recursos para a publicação de artigos em revistas científicas de uma forma planejada e estratégica, assim como servir como espaço de reflexão sobre a gestão da informação científica para contribuir em publicações de primeiro nível.

 

Anúncios
Publicado em Sin categoría | Deixe um comentário

FundRef/Crosscheck /Similarity Check/CrossTech

Autor:  Tradução: Julieti-Sussi Oliveira

Crosscheck é uma organização não lucrativa, destinada a melhorar o acesso, a comunicação e a procura na comunidade acadêmica. Na atualidade, a plataforma possui quase 10.000 membros provenientes de 114 países que empregam os diferentes serviços oferecidos; entre os serviços mais populares estão Fundref, Crosscheck, Crossmark e Crosstech.

1469194195_crossref_logo

Em primeiro lugar, Fundref é uma base de dados utilizada para prover informação sobre o financiamento recebido nas investigações. Especificamente, permite às organizações monitorar e fazer um acompanhamento às subvenções emitidas, garantem as cláusulas particulares dos financiadores aumenta a transparência dos resultados do financiamento e propõe visibilidade às fontes financiadoras. Em resumo, Fundref atua de modo favorável com as instituições de Pesquisa e Desenvolvimento (P & D) concedendo-lhes um registro atualizado da sua inversão nas publicações divulgadas em base de dados importantes como Scopus.

Por sua vez, Similarity Check, anteriormente conhecido como Crosscheck é um serviço de comparação de manuscritos voltada para a criação de uma base de dados, baseada na semelhança entre as publicações. A ferramenta principal desse serviço fundamenta-se no acesso ao software antiplágio denominado iThenticate patrocinado por Turnitin que fornece um feedback imediato sobre o conteúdo das publicações, demostrando a originalidade da investigação por meio da procura de coincidências tanto em outras publicações como no conteúdo geral publicado na internet.

Crossmark é um sistema de revisão de artigos depois da sua publicação que permite assegurar a atualização da informação de manuscritos e autores, incluindo o número de identificação ORCID, nova bibliografia que otimize a compreensão dos dados obtidos, correção de erratas, dados complementários, financiamento, detalhes das licenças, entre outras. As publicações que possuem o logotipo de Crossmark significa que a revista oferece a oportunidade de adicionar informação extra sem modificar a base do estudo, avaliando assim a premissa que manifesta a natureza dinâmica das publicações.

crossmark

Por último, CrossTech é um blog técnico para editoriais acadêmicos formalizando a instauração de um espaço protegido especializado para discussões relacionadas com mudanças no entorno acadêmico. Sob essa base, procura-se desenvolver uma comunidade para conhecer as diretrizes comum nas tecnologias da publicação, compartir experiências e expandir novas práticas editoriais. CrossTech é o serviço menos utilizado pelos membros de Crossref; os especialistas continuam mantendo a sua disposição para resolver dúvidas nos processos editoriais.

Finalmente, Crossref é uma plataforma necessária tanto para editores, revisores e autores. Evidentemente, a praticidade de seus serviços melhora a qualidade e a transparências das publicações. Ademais, possui outros serviços como Reference, Linking, Cited by e Event Data que serão comentados em uma próxima entrada do blog.

Publicado em Sin categoría | Deixe um comentário

Edições internacionais, a visibilidade mundial das revistas

Autor: – Tradução Julieti-Sussi Oliveira

Vivemos em um universo global, hoje em dia a ciência não tem fronteiras e salvo a idiomática superada com a língua inglesa, as investigações se movimentam pelo mundo com uma fluidez jamais imaginada.

As revistas científicas de primeiro nível mundial têm como princípio básico sua vocação internacional no seus temas,  seus enfoques, a origem dos seus autores e leitores, suas línguas (especialmente o inglês)…. Sua comunidade científica é global, até mesmo analisando amostras globais, sua abordagem é sempre universal.

Nesse sentido, um critério de qualidade explícito que devem valorar leitores já autores na hora de selecionar suas revistas focus é a projeção internacional da publicação, com indícios claros de superar as fronteiras geográficas e incluso idiomáticas e culturais que em Ciências Sociais foram sempre preponderantes.

As grandes bases de dados de prestígio internacional (WoS e Scopus) tem sempre presente este fator internacional que costuma gerar maior impacto nos seus indexadores principais (Journal Citation Reports em WoS e SJR e CiteScore em Scopus) ainda que o viés nórdico, técnico e anglófono é mais que notável, entre outros motivos pela própria infraestrutura da ciência e o desproporcional reparto da comunidade científica no mundo. Os países do norte, a língua inglesa e as disciplinas técnicas exatas, têm uma imensa presença internacional que só pode-se superar com a internacionalização e outras línguas (como o espanhol e o chinês), o apoio das Humanidades e as Ciências Sociais como máximo exponentes de ciências que se somam aos circuitos das revistas científicas e finalmente por “empoderar” o Sul como sujeito de ciência, com formação de pesquisadores e dotações científicas.

As revistas científicas de primeiro nível são sempre publicações com um profunda e constante vocação internacional e visibilidade mundial.

coediciones-internacionales

Coedições internacionais

“Comunicar” tem uma vocação internacional em todas as suas dimensões. Suas temáticas são de preocupação global, seus conselhos científicos e de revisores estão formados por pesquisadores de todos os continentes e de mais de 50 países, os trabalhos que recebe-se e são publicados  procedem de todos os cantos do mundo… Tudo na revista aspira a recolher a dimensão global da educação e a comunicação para oferecer respostas e alternativas criativas e inovadoras desde a pesquisa… para ser o referente mundial no tema na comunidade científica e na transferência social.

Publicado em Sin categoría | Deixe um comentário

Todas as leituras possíveis. Formatos e aparência

Autor:  Mª Amor Pérez-Rodríguez Tradução: Mirelle S. Freitas

A edição de revistas científicas em formato digital multiplica as possibilidades de leitura, difusão e vizibilização das mesmas e, consequentemente, dos trabalhos que são publicados nelas. Junto ao cuidado com a qualidade de conteúdos, formatos, apresentação e e promoção são aspectos básicos para que uma publicação científica aumente sua visibilidade e impacto.Apostar pela edição em formato digital, EPUBalém de agilizar e sistematizar todo o processo editorial, oferecendo um formato amigável e acessível, permite que a revista seja conhecida e adquira relevância. Por todo isso, é muito importante facilitar mais modos de leitura.

Comunicar apostou na versatilidade que oferecem as tecnologias emergentes e sua digitalização, tanto na questão editorial quanto na difusão. Desta forma, potencializa-se o ajuste dos  formatos em consonância com os novos modos de leitura e comunicação proporcionados pela web, a incorporação da plataforma OJS3 para a gestão editorial e o processo de difusão mediante o uso estratégico das redes sociais. A apresentação e a disposição dos conteúdos é facilidade nos múltiplos formatos digitais (ePub, issue, formatos preprint e print), além de sua impressão em papel. Com eles pretende-se facilitar o acesso e as opções de leitura, difusão e divulgação. A partir desta perspectiva, os ePub facilitam um formato redimensionável  de código aberto para ler textos e imagens, e em sua última versão também áudio, adaptando-se às diferentes telas e múltiplos dispositivos que permitem a leitura digital: computadores, tablets, telefones, consoles, ou leitores de livros eletrônicos. Os pdf dinâmicos e Issuu, tanto do número completo quanto de cada artigo, oferecem a possibilidade de uma leitura dos distintos textos com uma aparência real e personalizável como se fosse da própria revista. Os artigos  são visualizados através de um navegador web, adotando a aparência de uma publicação impressa, podendo-se ver duas páginas como se as passassem manualmente na própria revista.

EPUB2

Finalmente, a versão antecipada da impressão dos artigos já aceitos, que irão ser publicados, tanto em espanhol como em inglês em formato «Preprint», com seu respectivo DOI, dinamiza a interação e difusão dos textos.

O formato digital propicia que o trabalho dos autores adquiram relevância. Por isso, é importante que os editores das revistas assumam a necessidade de incorporar procedimentos para melhorar e potencializar a apresentação, leitura e difusão dos textos nelas publicados.

Publicado em Sin categoría | Deixe um comentário

RefWorks vs. EndNote

Autor: Águeda Delgado-Ponce tradução: Mirelle S. Freitas

Em um texto anterior refletimos sobre as características e vantagens de utilizar gestores de referências na investigação, sem ater a nenhuma. Neste texto, pretendemos abordar as particularidades e diferenças de dois gestores muito utilizados pela comunidade científica: Refworks e Endnote.

Refworks

Refworks é a principal ferramenta contratada pelas Universidades para criação de bases de dados e biblioteca pessoa dos usuários. Exige, portanto, que se pertença a uma universidade e um registro prévio. Deste modo, terá sua bibliografia acessível através da Web podendo:

  • Importar e organizar todas as suas referências
  • Compartilhar pastas e colaborar com outros investigadores
  • Dar formato bibliográfico a seus escritos com Write-N-Cite

Da mesma forma que o EndNote, permitem realizar buscas desde o próprio programa nas bases de dados e existem várias maneiras de agregar uma referência à biblioteca: manualmente, exportando, importando, etc. para depois agrupá-las em pastas e utilizá-las na redação de textos científicos adequando ao formato correspondente (APA, Harvard, MLA, Vancouver).

Entretanto, e apesar de suas semelhanças, há algumas diferenças entre ambos gestores que convém levar em consideração. O EndNote é menos intuitivo e em alguns aspectos sua utilização se complica, requerendo explicação. Mesmo assim, este gestor dispõe adicionalmente a sua versão Web, de uma versão de escritório que requer baixar a um computador particular. Por isso, os arquivos que anexados em RefWorks estão disponíveis na nuvem, enquanto os do EndNote ficam localmente no PC. RefWorks tem uma função que te indicará quais campos necessitará inserir para criar uma referência completa de acordo com o estilo que esteja usando, uma característica que o EndNote não tem. Contudo, o EndNote faz com que seja um pouco mais fácil colocar os números de página em referências de texto em Word, já que estiliza a numeração de páginas de acordo com o estilo de referência que estamos usando.

Finalmente, e como una característica a destacar no âmbito científico, no qual se prima pela colaboração na investigação, RefWorks facilita compartilhar bibliotecas entre diferentes pessoas, assim como os textos completos, sendo mais limitado o uso compartilhado no gestor de Clarivate Analytics.

Publicado em Sin categoría | Deixe um comentário

Critérios de qualidade das publicações

Autor: Luis M Romero-Rodríguez – tradução: Mirelle S. Freitas

O conceito de “qualidade” provem do latim qualitas (perfeição), não é menos certo que a palavra tenha tomado um significado polissêmico e também subjetivo. Entretanto, no que se refere a publicações científicas, existem diversos indicadores e critérios que avaliam suas sus qualidades científicas. Entre os mais importantes estão:

Qualidade

Fonte: Revista Comunicar (Critérios de Qualidade)

  • Impacto e prestígio:Uma revista obtém a máxima pontuação neste critério quando se posiciona dentro dos índices de qualidade mais importantes para a comunidade científica (Journal Citation Reports y Scopus). Entretanto, existem outros certificados ou indexadores que avaliam um menor impacto, mas que se está em vias de obtê-lo, tal como o certificado de Excelência FECYT, ERIH+ ol Emerging Citation Source Index.
  • Visibilidade e acesso:A visibilidade se refere à facilidade de encontrar e ler um artígo publicado, enquanto o acesso se refere à  política de difusão da revista (acesso aberto, acesso restrito, acesso pago, etc.). Para aumentar a visibilidade, as revistas – como Comunicar – publicam em diversos idiomas, realizam um esforço no  SEO Acadêmico, publicam em diversos formatos de interoperabilidade (PDF, EPub, Isuu, HTML, XML), difundem a versão preprint dos artigos e são ativas nas redes sociais acadêmicas (eduResearchGate, Mendeley) e gerais (Facebook, Twitter, Youtube).
  • Pontualidade e seriedade: Talvez um dos pontos mais importantes das publicações científicas seja a pontualidade e o seu rigor nos tempos de revisão. As publicações científicas não são nadada sem os autores e revisores que confiam nelas, ergonão é anódino cumprir ao menos com um tempo prudente para emitir um informe sobre o artigo. Neste caso, a Revista Comunicar mantém um código de honra em avaliar um artigo em um prazo máximo de 100 dias e de 30 dias para emitir a estimativa ou destinação prévia do artigo (por não cumprimento de requisitos formais ou de linha temática).
  • Rigor do processo:Todos os processos das revistas científicas de qualidade devem ser auditáveis e transparentes. Neste sentido, as publicações devem contar com revisores científicos especialistas na temática de especialização e evitar a todo custo a endogamia.
  • Ética e compromisso: O Conselho Editorial de uma publicação, assim como seu Conselho Científico e seu Conselho de revisores devem compreender a importância de cuidar aspectos como os conflitos de interesses, a responsabilidade, a confidencialidade e a honestidade de seu trabalho, assumindo a objetividade e o rigor científico como norte.
  • Gestão editorial:A garantia no uso de sistemas auditáveis (como o Open Journal System, ScholarOne, etc.) é um ponto importante para que os autores podem seguir o processo editorial e efetuar mudanças nos envios.
  • Comunidade científica: A comunidade científica é a razão de ser de toda publicação. Os autores, revisores, leitores, simpatizantes, membros do Conselho Científico, dos Conselhos de Redação e do Conselho Editorial devem compor um grande ecossistema de especialistas e referentes do tema para que a revista se constitua em ponto de encontro do debate acadêmico.
  • Tecnologias emergentes:O uso estratégico das redes sociais e a contínua adaptação a novos indicadores (como AltMetrics), é necessário para que a revista se encontre atualizada.
  • Originalidade e progresso:Todos os manuscritos de uma publicação devem ser inéditos, originais e contribuir de alguma maneira com o progresso da ciência, disciplina ou área de conhecimento. Neste sentido é vital ter sistemas de controle de plágio (como CrossCheck, SimilarityCheck, Turnitin, etc.) e um conselho de revisores especialistas em cada uma das temáticas.
  • O autor como foco:O autor é o epicentro de todas as publicações científicas, pois as dota de conteúdo e oferece seus estudos para a difusão.

Na Revista Comunicar preparamos o seguinte vídeo explicativo sobre os critérios editoriais.

 

Publicado em Sin categoría | Deixe um comentário

Indexações

Autor: Ignacio-Aguaded– Tradução: Jenny de La Rosa

As revistas científicas têm se transformado no primeiro instrumento e veículo da comunicação científica. Aos poucos o livro tradicional, pelas suas próprias dificuldades de adaptação a um mundo digital, foi perdendo importância, incluso nas áreas sociais, jurídicas e humanísticas.

Uma das razões do constante reconhecimento das revistas, como motores da visibilização científica, é sua capacidade adaptação aos novos canais de processamento e difusão da ciência.

As publicações científicas periódicas são conhecidas e reconhecidas pela comunidade científica em função da sua qualidade editorial, seu grau de visibilização e seus níveis de impacto na produção científica, medidos tanto pelas citações em outras publicações como pela sua presença nas métricas alternativas.

Estes três fatores (qualidade editorial, visibilização e fator de impacto) diferenciam decisivamente as publicações científicas excelentes e as restantes. Porque uma das razões de sucesso das revistas é precisamente que os pesquisadores e os leitores possam identificar as de alta qualidade daquelas que não são ou estão no processo.

Indexar revistas é “classificá-las”, organizá-las de alguma forma, seguindo múltiplos critérios, embora a comunidade científica aceite como fator preferente o impacto e as citações dessa publicação em outras de igual nível.

As indexações e sua classificação em quartis são uma forma simples de ierarquizar as revistas nos principais índices do mundo em função do quartil onde se posicionem.

Como já dissemos em outro post, as revistas Q1 são as que ostentam as melhores posições e, portanto, são as mais prestigiosas e célebres em suas classificações, isto porque obtiveram para o ano da sua avaliação as melhores e mais numerosas citações das suas revistas. Poucas revistas, portanto, têm a possibilidade de chegar a estes níveis de excelência internacional e mais se se publicam fora dos âmbitos científico-técnicos e anglo-saxões, já que a língua franca de destaque é o inglês e os estudos técnico-sanitários são os mais influentes a nível internacional.

JCR IndexJCR index2As indexações mais reconhecidas a nível internacional são as originadas das bases de dados de WoS (Web of Science), da empresa Clarivate Analytcs, cujo produto estrela e mais influente a nível mundial, há décadas, é o Journal citation reports.

Neste portal se reúnem em torno de 11600 revistas de todas as áreas e países do mundo, com um predomínio de divulgação do inglês e o mundo anglo-saxão. A lista, como todos os seus serviços, são atualmente privativos e somente acessíveis por subscrições individuais ou coletivas (é o caso das Universidades ou centros de pesquisa)

Em segundo lugar, e em constante crescimento, se encontra a base de dados Scopus, que conta com dois grandes indexadores independentes e com resultados diferenciados: CiteScore e SJR (Scimago Journal Ranking), os dois com perfil público e acessíveis a partir de qualquer conexão de internet: http://www.scimagojr.com/https://journalmetrics.scopus.com/.

CiteScore com 22.500 revistas indexadas e SJR con 28.500.

JCR index3

Estes portais são ferramentas básicas de todo pesquisador que queira estar atualizado com as publicações científicas de maior prestígio, visibilidade e reconhecimento a nível internacional.

“Comunicar” publicou, como serviço a seus leitores e autores, um ranking de revistas espanholas, especialmente de Comunicação, Educação e Estudos Culturais com as três indexações mais reconhecidas: https://goo.gl/JGHkZ. Junto a WoS e Scopus.

Menciona-se também Google, como macrobase de informação mundial, que na sua seção acadêmica (Google Scholar Metrtics: GSM), mensura as revistas anualmente pelo seu índice H (veja-se outro post deste blog), em função das suas línguas: https://goo.gl/Y68m8n.

 

Publicado em Sin categoría | Deixe um comentário

As meta tags, descrevendo melhor os documentos eletrônicos

Tradução: Julieti-Sussi Oliveira

metaetiquetas

A digitalização da informação implica mais complexidade que uma simples transferência de dados entre o papel e a tela. Como resultados desta complexidade surgem os metadados, etiquetas descritivas, continuação da tradição catalográfica, cujo objetivo é a descrição dos documentos para que esses sejam registrados e facilmente integrados em grandes conjuntos de dados e contudo recuperáveis segundo suas características formais e de conteúdo.

O que isso significa? pois algo simples, que os documentos eletrônicos importantes como os artigos científicos, devem ter designadas etiquetas que os descrevam, etiquetas de título, nome dos autores, tema, ou o meio em que são publicados entre outros. Atualmente existem diferentes tecnologias que tornam possível a marcação descritiva de documentos eletrônicos, destaca-se por ser o mais usado o formato XML (mais geral), o modelo de dados RDF ou o modelo concreto de metadados Dublin Core (modelo de metadados baseado em XML e RDF).

No contexto dos artigos científicos, as revistas de qualidade introduzem as etiquetas no momento da elaboração dos trabalhos, formatação dos pdf ou outros formatos. Isto facilita as bases de dados de gestão bibliográfica como Web of Science, Scopus o Google Scholar, identificar inequivocamente, registrar e descrevê-los corretamente. Do mesmo modo, as meta tags permitem aos gestores de referências bibliográficas como Mendeley, Zotero ou Refworks importar os dados dos documentos que são guardados automaticamente sem a necessidade de descrever os documentos, isso sempre e quando as meta tags estejam corretas e completas.

Portanto, no contexto da documentação digital, o desenvolvimento de meta tags é fundamental para a futura difusão e visibilidade dos documentos. Um trabalho sem meta tags ou com as mesmas mal elaboradas será como um livro escondido em uma biblioteca que não aparece no catálogo ou aparece  de maneira equivocada, um documento invisível.

 

Autor do texto em espanhol:  

Publicado em Sin categoría | Deixe um comentário