Endogamia

Autor: Águeda Delgado-Ponce – tradução: Lilian Rocha-Ribeiro

A endogamia, «atitude social de rejeição à incorporação de membros alheios ao próprio grupo ou instituição» (DRAE, 2016),  é, junto com o plágio um dos grandes males que ameaça a ciência; por vezes se privilegia o investigador e suas relações sociais em detrimento da própria investigação.

Existem vários tipos de ações que podem ser consideradas endogâmicas e que não se revestem em descrédito para a publicação, ainda que todas igualmente reprováveis e com certo prejuízo para o progresso da ciência. Entre as primeiras estaria privilegiar trabalhos dos próprios editores ou de investigadores de seu círculo, da própria universidade, a outros artigos que poderiam ter mais valor científico, mas que carecem dessa relação direta com a revista. Com isso se privilegia a pessoa em vez do conteúdo.

Endogamia

Outro indicador de endogamia é a auto-citação, na qual a revista cita seus próprios artigos ou, para ser mais sutil, estabelece acordos com outras revistas ou que as revistas do mesmo grupo editorial  façam citações entre si, tendo assim mais citações, o que irá aumentar seu fator de impacto. Em qualquer caso, o objetivo procurado não é nem a originalidade, nem a relevância, nem o impacto da investigação.

No entanto, esta atitude, que abundava há anos, está se tornando mais facilmente detectada pelos avaliadores, que contam com  mecanismos para determinar o grau de endogamia de uma publicação e agir em conformidade. Assim, autocitações excessivas ou intercâmbio de citações podem ser motivo para a remoção de uma revista do JCR. Da mesma forma, a maioria das revistas de qualidade têm um código de ética que refletem os compromissos também em relação à endogamia, por exemplo, na Revista Comunicar  encontramos que “editores avaliam os trabalhos submetidos para publicação apenas com base no mérito científico dos conteúdos” utilizando para evitar distorções uma avaliação cega por pares, na qual os revisores desconhecem os dados de autoria dos artigos.

No entanto, esta atitude social de beneficiar a si mesmo contra o outro é uma doença endêmica que afeta todas as áreas da sociedade e que por estar no imaginário coletivo é muito difícil de erradicar. Assim, a ciência, como defensora de mudanças, deve abrir o caminho, como já começou a fazer, com base na objetividade, na honestidade e no compromisso com a pesquisa.

 

Anúncios

Sobre Lilian Ribeiro

Lilian Vieira da Rocha Ribeiro (Universidade de Huelva/Espanha) Doutora em Comunicação (Educomunicação & Media literacy); Mestra em Linguística Aplicada (Univ. de Brasília-Brasil); Licenciada em Letras (Faculdade Castelo Branco); Coordenadora da equipe de tradução espanhol-português da Escola de Autores da Revista Comunicar.
Esse post foi publicado em Sin categoría. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s